I Curso de Emergência em Pequenos Animais

Prezados Leitores, colegas e alunos.

Gostaria de agradecer a todos os participantes do nosso I Curso de Emergência Veterinária. Foi um grande sucesso e em breve teremos novidades sobre outros cursos!Folder

Interessados entrar contato com: cursos_cl@yahoo.com

Teoria DSC_1437 DSC_1450 DSC_1473 DSC_1509 DSC_1521 DSC_1679 DSC_1714 DSC_1724 DSC_1761 Turma

Att. Dr. André Carneiro

Abcesso Periapical em Coelho.

Esse animal foi atendido pelo Dr. Júlio Arruda, no Instituto Prosilvestres, onde após solicitação de exames radiográficos foi detectado um abcesso periapical. A cirurgia foi em conjunto com o Dr. Júlio Arruda, que realizou a extração e o tratamento odontológico do paciente.

IMG_0327Nódulo imediatamente abaixo de incisivo inferior direito.

IMG_0330Animal intubado em decúbito dorsal preparado para cirurgia.

IMG_0331Retirada completa e curetagem do abcesso, notar ápice da raiz dentro do abcesso. Foi realizada extração do dente.

IMG_0338Finalização da cirurgia, foi feita marsupialização do abcesso para limpeza e tratamento posterior.

IMG_0336Abcesso e dente retirados.

O animal retirou os pontos e recupera-se bem. Já alimenta-se e bebe água normalmente.

Flap pediculado de pele para cobertura de lesão por miíase.

Animal de rua que chegou até a clínica por intermédio de uma cliente. Estava com uma miíase muito grande e já havia perdido dois dígitos, foi feita limpeza da ferida e tratamento da lesão para que pudesse ser realizado o enxerto.

Lesão após limpeza e tratamento sendo preparada para receber o enxerto.

Amputação do terceiro metacarpo devido a exposição óssea e possível osteomielite.

Reavivamento dos bordos da lesão.

Retirada do flap da área doadora, região latero-cranial de tíbia.

Medindo o tamanho do flap e ensaiando a cobertura.

Primeiros pontos para fixação do flap.

Fechamento da área doadora.

Finalização da cobertura.

Resultado após 30 dias.

Flap ainda presente sem necrose, um pouco retraído devido a deiscência de alguns pontos por lambedura do animal.

Retirada do flap com excelente resultado final, agora é só aguardar o fechamento total da lesão. Animal já caminha normalmente e apoia o membro sem problemas.

TTA e TPLO

Tenho recebido diversos comentários sobre Ruptura de ligamento cruzado em cães (RLCC). Muitos perguntam qual melhor técnica para cães grandes, na minha opinião essas são as duas melhores técnicas para correção de RLCC em cães grandes.

Seguem dois links, um de TTA e outro de TPLO.

http://www.youtube.com/watch?v=QdrlWziv5sI

http://www.youtube.com/watch?v=a9msyfzTKGg&feature=related

Aproveitem, os vídeos são bem didáticos.

Lesão por abrasão cutânea.

Este animal deu entrada no IEMEV com histórico de atropelamento, onde o animal foi arrastado por alguns metros e resultou nisso.

Foi feita limpeza da área e sutura com a colocação de um dreno.

Sutura finalizada, animal foi liberado no dia seguinte após realização de exames. Sutura realizada pelo Dr. Adriano Baldaia.

Luxação de sínfise mentoniana em felino.

Animal chegou a clínica com histórico de trauma automobilístico. Descartadas todas as possibilidades de outros traumas, o animal foi encaminhado para cirurgia de redução da luxação por cerclagem.

Rx pré – operatório.

Deslocamento mandibular e oclusão incorreta.

Colocação de agulha 40 x 12 entre o lábio e a mandíbula, imediatamente atrás dos caninos.

Passagem do fio de cerclagem.

Passagem do fio contralateral da mesma forma.

Utilizada cerclagem interdental para aproximação e feito aperto da ceclagem.

Estabilização finalizada.

Após 45 dias animal retornou para retirada da cerclagem.

Oclusão e estabilidade satisfatórias

Retirada das cerclagens e cicatrização perfeita.

Denervação Capsular Percutânea.

Chegou à mim na clínica essa semana, um cão com o seguinte histórico:

Um labrador de 11 anos com queixa de paresia de posteriores. Proprietário relatava que animal não andava já fazia um ano. O animal já havia sido diagnosticado com coxo artrose cerca de 3 anos atrás, mas na época proprietário preferiu não operar. Tendo em vista o atual quadro do animal, o proprietário me procurou para saber as possibilidades cirúrgicas. Os exames atuais revelam coxo artrose severa, coluna sem alterações mas as articulações coxofemorais completamente alteradas. O animal está fazendo uso de medicação analgésica potente, prescrita por outro colega, mas não apresenta resultado. Dentre as técnicas possíveis sugeri a ele a denervação capsular percutânea por ser rápida e apresentar um bom resultado em relação ao controle da dor. Na medicina humana é usada amplamente com ótimo resultado. Estou aguardando a decisão do proprietário em realizar ou não a cirurgia, havendo a possibilidade posto as fotos para vocês.

Cirurgias percutâneas
As cirurgias percutâneas se caracterizam por serem procedimentos realizados sem a necessidade de cortes, através de agulhas ou cânulas introduzidas através da pele e que podem servir para diagnóstico e/ou tratamento de várias patologias. Esses procedimentos têm como regra geral a breve permanência hospitalar e apresentam riscos bastante reduzidos. Pode ser indicada no tratamento de afecções degenerativas que, sem produzirem déficit neurológico, provocam dores refratárias ao tratamento conservador como o repouso, fisioterapia, analgésicos, anti-inflamatórios, miorrelaxantes, sedativos, bloqueios com anestésicos, acupuntura, entre outros. É uma boa opção terapêutica, podendo ser realizada em animais de qualquer idade.

Os melhores resultados no tratamento da dor são obtidos através de um atendimento multidisciplinar do paciente, no qual participam vários especialistas como ortopedistas, neurologistas, anestesiologistas, oncologistas e intensivistas dependendo do quadro clínico apresentado. Penso que, somente através de um melhor conhecimento da fisiologia da dor, o aperfeiçoamento concomitante e profissionais capacitados, conseguir-se-á dar um atendimento cada vez melhor aos nossos pacientes que sofrem de dor crônica.

A seguir indico o seguinte artigo para os interessados: http://www.scielo.br/pdf/cr/v39n2/a61cr184.pdf

Atenciosamente Dr. André Carneiro Continuar lendo