Avulsão de crista tibial.

Este animal foi encaminhado pelo Dr. Leandro Agueda com histórico de claudicação, quadro perdurava por 5 dias aproximadamente sem resolução com medicamentos. Após avaliação radiográfica constatou-se uma avulsão da crista tibial e o paciente foi encaminhado para cirurgia.

 

Rx pré-operatório diagnosticando avulsão de crista tibial direita.RX preIncisão de pele.

IMG_1542 Localização da avulsão.IMG_1544 Passagem de fio de aço para banda de tensão através da tíbia.IMG_1548 Passagem do pino para fixação da avulsão e ajuste da banda de tensão em configuração de 8.IMG_1550IMG_1553Bandagem pós operatória.

IMG_1555

 

Osteossíntese de rádio com placa.

Animal foi encaminhado para a clínica escola com histórico de trauma automobilístico, já havia realizado todos os exames e não apresentava alterações em nenhum deles, exceto o Rx de MAD que revelou fratura total de rádio e ulna. Animal então foi encaminhado para cirurgia, quadro havia ocorrido 48 horas antes.
IMG_1241-2Membro preparado para cirurgia.IMG_1244 Incisão de pele.IMG_1245 Localização do foco de fratura.IMG_1247-2 Fragmentos ósseos localizados.IMG_1251Redução da fratura.IMG_1255 Ensaio da placa.IMG_1258 Colocação dos primeiros parafusos.IMG_1261Cirurgia finalizada. Esqueci de fotografar o RX mas quando colocar as fotos do Rx pós-operatório posto e de antes também.

Colocefalectomia, recuperação após 6 meses.

Pessoal!

Muitos leitores mandam email perguntando sobre a recuperação da cirurgia de colocefalectomia. Segue um vídeo de um animal que foi operado devido a necrose asséptica de cabeça e colo femoral, o animal foi operado 6 meses atrás e ontem fiz sua última revisão. A proprietária relata que o animal retornou completamente as suas atividades, inclusive subir e pular nos móveis.

Att.

Dr. André Carneiro.

Lázaro

I Curso de Emergência em Pequenos Animais

Prezados Leitores, colegas e alunos.

Gostaria de agradecer a todos os participantes do nosso I Curso de Emergência Veterinária. Foi um grande sucesso e em breve teremos novidades sobre outros cursos!Folder

Interessados entrar contato com: cursos_cl@yahoo.com

Teoria DSC_1437 DSC_1450 DSC_1473 DSC_1509 DSC_1521 DSC_1679 DSC_1714 DSC_1724 DSC_1761 Turma

Att. Dr. André Carneiro

Flap pediculado de pele para cobertura de lesão por miíase.

Animal de rua que chegou até a clínica por intermédio de uma cliente. Estava com uma miíase muito grande e já havia perdido dois dígitos, foi feita limpeza da ferida e tratamento da lesão para que pudesse ser realizado o enxerto.

Lesão após limpeza e tratamento sendo preparada para receber o enxerto.

Amputação do terceiro metacarpo devido a exposição óssea e possível osteomielite.

Reavivamento dos bordos da lesão.

Retirada do flap da área doadora, região latero-cranial de tíbia.

Medindo o tamanho do flap e ensaiando a cobertura.

Primeiros pontos para fixação do flap.

Fechamento da área doadora.

Finalização da cobertura.

Resultado após 30 dias.

Flap ainda presente sem necrose, um pouco retraído devido a deiscência de alguns pontos por lambedura do animal.

Retirada do flap com excelente resultado final, agora é só aguardar o fechamento total da lesão. Animal já caminha normalmente e apoia o membro sem problemas.

TTA e TPLO

Tenho recebido diversos comentários sobre Ruptura de ligamento cruzado em cães (RLCC). Muitos perguntam qual melhor técnica para cães grandes, na minha opinião essas são as duas melhores técnicas para correção de RLCC em cães grandes.

Seguem dois links, um de TTA e outro de TPLO.

http://www.youtube.com/watch?v=QdrlWziv5sI

http://www.youtube.com/watch?v=a9msyfzTKGg&feature=related

Aproveitem, os vídeos são bem didáticos.

Luxação de sínfise mentoniana em felino.

Animal chegou a clínica com histórico de trauma automobilístico. Descartadas todas as possibilidades de outros traumas, o animal foi encaminhado para cirurgia de redução da luxação por cerclagem.

Rx pré – operatório.

Deslocamento mandibular e oclusão incorreta.

Colocação de agulha 40 x 12 entre o lábio e a mandíbula, imediatamente atrás dos caninos.

Passagem do fio de cerclagem.

Passagem do fio contralateral da mesma forma.

Utilizada cerclagem interdental para aproximação e feito aperto da ceclagem.

Estabilização finalizada.

Após 45 dias animal retornou para retirada da cerclagem.

Oclusão e estabilidade satisfatórias

Retirada das cerclagens e cicatrização perfeita.

Fratura patológica bilateral de mandíbula.

Esse animal chegou à clínica com o seguinte histórico: Proprietário deixou animal na Pet Shop para tomar banho e o animal retornou para casa sem conseguir fechar a boca. Foi solicitado Rx de mandíbula e foi detectada fratura bilateral de mandíbula, possívelmente patológica, segundo radiologista. Foi realizada cirurgia para redução das fraturas com fixador externo, tendo boa coaptação ao final da cirurgia.

Notar as áreas de reabsorção óssea ao redor das raízes.

Intensa presença de tártaro, foi realizado o tratamento periodontal e a extração dos dentes localizados no foco de fratura.

Estabilização das fraturas com fixador externo.

Estabilização da sínfise mentoniana com fio de cerclagem.

Oclusão satisfatória e finalização da cirurgia.

Redução de fratura de epicôndilo lateral.

Esse animal deu entrada na clínica com queixa de claudicação, proprietário relatava que animal havia pulado do terraço e desde então claudicava, quadro havia acontecido 3 dias atrás.

Rx Pré – operatório.

Passagem de dois fios de Kirshiner cruzados para estabilização da fratura.

Corte dos pinos e finalização da cirurgia.

O animal após 45 dias já caminhava apoiando o membro no chão.

Pedi ao proprietário para fazer um novo rx mas ainda não obtive resultado.

 

Aplicação de fixador mini tubular em fratura umeral de felino.

Tenho utilizado bastante esse tipo de fixador na minha rotina de ortopedia com grande índice de sucesso. Utilizo, também, nas fraturas distais de rádio e ulna em cães até 5 Kg de peso. Pode-se utilizar pinos de 1 mm até 2 mm.

Acesso ao foco de fratura.

Aplicação de Hemicerclagem, por ser um fratura em bisel facilitou e redução para aplicação dos pinos.

Colocação do primeiro pino.

Redução da fratura restando apenas a passagem do último pino

Colocação do último pino com boa coaptação da fratura.

Cirurgia finalizada. O aparelho é bem leve e o animal não se incomoda tanto.

Como disse anteriormente, também indico o uso desse fixador  em animais até 5 Kg de peso com bom resultado. Notar animal apoiando o membro normalmente após 60 dias de operado.

Rx pré-operatório.

Rx de controle pós-operatório (60 dias após).

Notar perfeito alinhamento do membro após a retirada do fixador.