Osteossíntese de rádio com placa.

Animal foi encaminhado para a clínica escola com histórico de trauma automobilístico, já havia realizado todos os exames e não apresentava alterações em nenhum deles, exceto o Rx de MAD que revelou fratura total de rádio e ulna. Animal então foi encaminhado para cirurgia, quadro havia ocorrido 48 horas antes.
IMG_1241-2Membro preparado para cirurgia.IMG_1244 Incisão de pele.IMG_1245 Localização do foco de fratura.IMG_1247-2 Fragmentos ósseos localizados.IMG_1251Redução da fratura.IMG_1255 Ensaio da placa.IMG_1258 Colocação dos primeiros parafusos.IMG_1261Cirurgia finalizada. Esqueci de fotografar o RX mas quando colocar as fotos do Rx pós-operatório posto e de antes também.

I Curso de Emergência em Pequenos Animais

Prezados Leitores, colegas e alunos.

Gostaria de agradecer a todos os participantes do nosso I Curso de Emergência Veterinária. Foi um grande sucesso e em breve teremos novidades sobre outros cursos!Folder

Interessados entrar contato com: cursos_cl@yahoo.com

Teoria DSC_1437 DSC_1450 DSC_1473 DSC_1509 DSC_1521 DSC_1679 DSC_1714 DSC_1724 DSC_1761 Turma

Att. Dr. André Carneiro

Síndrome do gato voador

            Uma pesquisa da UnB mostra que os riscos para os gatos quando eles caem acima do 5º andar é menor que quando eles caem do 4º nível. A uma distância mediana eles têm dificuldades de virar e tocar o chão com as quatro patas, o que faz com que a queda do 10º andar ou do segundo provoque ferimentos parecidos, leves, na maioria das vezes. A dificuldade específica dos gatos com essa distância foi chamada de síndrome do gato voador. Segundo o médico veterinário da Faculdade de Agronomia e Medicina Veterinária da Universidade de Brasília (UnB) Richard da Rocha Filgueiras, nos andares mais baixos, como 1º e 2º, o animal tende a cair naturalmente de pé, considerando a medida de 3,6m para cada patamar. Um pouco acima disso, o gato pode não conseguir trocar de posição, o que o faria colidir com o solo de costas ou lateralmente. “O perigo é maior porque pode ocorrer trauma abdominal com lesão de orgãos ou pulmonar, ruptura diafragmática e hemorragia interna”, diz. Acima do 6º andar, o gato consegue girar e atingir o chão com as quatro patas, amortecendo o impacto. Isso não significa que o animal não se machuque. Em quedas maiores, as fraturas se concentram nas patas da frente e no queixo, que também bate na superfície, além de lesões na cavidade oral.

Esse animal foi atendido por mim, onde o proprietário relatou queda do animal justamente do 4º andar, apresentava dispnéia ( dificuldade respiratória ), escoriações de pele, mas sem evidências de fraturas. Solicitei um rx de tórax onde foi constatada uma ruptura diafragmática, o animal foi estabilizado e encaminhado para a cirurgia.

Rx Pré – operatório

Rx Pré – operatório.

Campo cirúrgico preparado

Retirada das alças intestinais e parte do fígado que encontrava -se dentro do tórax, notar a presença do coração bem próximo a ruptura, ele também estava sendo comprimido pelas alças.

Localização da ruptura.

Rafia da ruptura.

Finalização.