Abcesso Periapical em Coelho.

Esse animal foi atendido pelo Dr. Júlio Arruda, no Instituto Prosilvestres, onde após solicitação de exames radiográficos foi detectado um abcesso periapical. A cirurgia foi em conjunto com o Dr. Júlio Arruda, que realizou a extração e o tratamento odontológico do paciente.

IMG_0327Nódulo imediatamente abaixo de incisivo inferior direito.

IMG_0330Animal intubado em decúbito dorsal preparado para cirurgia.

IMG_0331Retirada completa e curetagem do abcesso, notar ápice da raiz dentro do abcesso. Foi realizada extração do dente.

IMG_0338Finalização da cirurgia, foi feita marsupialização do abcesso para limpeza e tratamento posterior.

IMG_0336Abcesso e dente retirados.

O animal retirou os pontos e recupera-se bem. Já alimenta-se e bebe água normalmente.

Odontologia em roedores e coelhos.

Os roedores são numerosos e cada vez mais comuns entre os animais de estimação. Caracterizam-se por possuir quatro dentes incisivos longos, com crescimento contínuo (elodonte) e forma de cinzel (um dente em cada hemiarco dentário). De modo geral, seus dentes pré-molares e molares são braquiodontes, com raízes formadas e crescimento limitado. No entanto, alguns roedores (chinchila – Chinchilla lanigera, porquinho-da-índia – Cavia porcelus) possuem os prémolares e molares sem a formação de raízes verdadeiras e com crescimento contínuo, chamados de elodontes completos. Os lagomorfos, como os coelhos (Oryctolagus cuniculus), distinguem-se dos roedores por apresentar dois incisivos maxilares em cada hemiarco dentário (duplicidentata), porém também são elodontes completos. O crescimento dentário contínuo e a presença de afecções hereditárias ou traumáticas predispõem à maloclusão nestes animais, quando as características mastigatórias podem ser perdidas.

A maloclusão é a enfermidade oral mais comum em roedores e lagomorfos, podendo ser corrigida em um único procedimento ou necessitar de correções periódicas por toda a vida do animal.
Os sinais clínicos relativos à maloclusão são os mesmos relacionados a outras enfermidades orais e incluem: perda de peso, anorexia, ptialismo ( salivação excessiva ), hipercrescimento de incisivos, abscesso facial, corrimento óculo-nasal e exoftalmia. Um minucioso exame da cavidade oral só pode ser realizado com o animal quimicamente contido, dada a dificuldade de visão da cavidade oral em roedores e lagomorfos.

Em qualquer situação de maloclusão há comprometimento da preensão e mastigação, necessitando-se de tratamento que permita o retorno da cavidade oral à sua função. O tratamento envolve a correção do alinhamento oclusal e do manejo dietético, com itens alimentares mais fibrosos e abrasivos (vegetais ricos em sílica, lignina e celulose). Tais procedimentos só podem ser realizados com o animal sob anestesia geral.

Fonte: http://www.faunaespecialidades.com.br/site/especialidades_od.htm

Tendo em vista tudo isso, posto algumas fotos de um procedimento realizado pelo Dr. Júlio Arruda, médico veterinário especializado em animais silvestres, e no Rio de Janeiro atua na área de odontologia de roedores e lagomorfos, com material específico para tal finalidade.

Essa mesinha que está ao lado do animal é específica para realização de procedimentos odontológicos em roedores e lagomorfos.

Equipo digital.

Manutenção anestésica com máscara realizada pelo Dr. Vinícius Lopes.

Procedimento sendo realizado.