Denervação Capsular Percutânea.

Chegou à mim na clínica essa semana, um cão com o seguinte histórico:

Um labrador de 11 anos com queixa de paresia de posteriores. Proprietário relatava que animal não andava já fazia um ano. O animal já havia sido diagnosticado com coxo artrose cerca de 3 anos atrás, mas na época proprietário preferiu não operar. Tendo em vista o atual quadro do animal, o proprietário me procurou para saber as possibilidades cirúrgicas. Os exames atuais revelam coxo artrose severa, coluna sem alterações mas as articulações coxofemorais completamente alteradas. O animal está fazendo uso de medicação analgésica potente, prescrita por outro colega, mas não apresenta resultado. Dentre as técnicas possíveis sugeri a ele a denervação capsular percutânea por ser rápida e apresentar um bom resultado em relação ao controle da dor. Na medicina humana é usada amplamente com ótimo resultado. Estou aguardando a decisão do proprietário em realizar ou não a cirurgia, havendo a possibilidade posto as fotos para vocês.

Cirurgias percutâneas
As cirurgias percutâneas se caracterizam por serem procedimentos realizados sem a necessidade de cortes, através de agulhas ou cânulas introduzidas através da pele e que podem servir para diagnóstico e/ou tratamento de várias patologias. Esses procedimentos têm como regra geral a breve permanência hospitalar e apresentam riscos bastante reduzidos. Pode ser indicada no tratamento de afecções degenerativas que, sem produzirem déficit neurológico, provocam dores refratárias ao tratamento conservador como o repouso, fisioterapia, analgésicos, anti-inflamatórios, miorrelaxantes, sedativos, bloqueios com anestésicos, acupuntura, entre outros. É uma boa opção terapêutica, podendo ser realizada em animais de qualquer idade.

Os melhores resultados no tratamento da dor são obtidos através de um atendimento multidisciplinar do paciente, no qual participam vários especialistas como ortopedistas, neurologistas, anestesiologistas, oncologistas e intensivistas dependendo do quadro clínico apresentado. Penso que, somente através de um melhor conhecimento da fisiologia da dor, o aperfeiçoamento concomitante e profissionais capacitados, conseguir-se-á dar um atendimento cada vez melhor aos nossos pacientes que sofrem de dor crônica.

A seguir indico o seguinte artigo para os interessados: http://www.scielo.br/pdf/cr/v39n2/a61cr184.pdf

Atenciosamente Dr. André Carneiro Continuar lendo